O Lutador: Fera ferida, mas ainda viva

rating_cincoestrelas

the-wrestlerSe depender desse tocante longa de Darren Aronofsky (Requiem Para Um Sonho), injustamente não indicado ao Oscar 2009 de melhor filme, diga-se de passagem, Mickey Rourke carimbou seu ticket de volta ao estrelato. E olha que ele já havia mostrado essa possibilidade no gráfico Sin City.

Quando disse no parágrafo anterior que o longa merecia a indicação na principal categoria, não quis dizer que merecia vencer (fico na dúvida entre ele e Quem Quer Ser Um Milionário?), mas ficar de fora da corrida é uma injustiça comparada a vitória de Shakespere Apaixonado sobre O Resgate do Soldado Ryan.

O longa acompanha o “lutador” de Wrestler (título original em inglês), conhecida aqui no brasil como a teatral luta livre, Randy Robinson. Assim como seu intérprete, Ran, como gosta de ser chamado, já teve seus dias de glória, mas hoje vive no ostracismo e tem que se virar em um segundo e enfadonho emprego. Para se distrair, a noite o lutador procura consolo nos braços da stripper Cassidy, vivida pela talentosa e, seguindo os passos da musa Michelle Pfeifer, cada vez mais linda, Marisa Tomei, que consegue mesclar, força e insegurança numa interpretação não menos que marcante.

Para piorar, problemas no coração do protagonista o impedem de seguir lutando, e se não bastasse, Randy ainda tenta reatar o relacionamento com sua filha (Evan Rachel Wood), provavelmente destruído pelo passado problemático do protagonista. Assim como Robert Downey Jr em Homem de Ferro, Mickey Rourke é o ator perfeito para o papel e o assume com maestria.

Com uma trilha sonora embalada por clássicos do rock’n roll, o diretor presenteia os fãs do rock oitentista, em especial os fãs do Guns and Roses – preste atenção no antológico diálogo no bar entre Randy e Cassidy. Com uma história simples e sem lições de moral, atuações fortes e uma direção segura, O Lutador mostra que a fera Rourke pode estar ferida, mas ainda resiste mais alguns rounds. E o Olhar Leigo torce por mais rounds tão emocionantes como este.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *