Django Livre: Tarantino ainda surpreende

Talvez esse seja o trabalho mais “linear”, em termos de roteiro, de Quentin Tarantino. Dito isto, todas as outras características que marcaram sua carreira como diálogos inteligentes e divertidos, violência gráfica, trilha sonora impecável e, em alguns momentos, inusitada e o amor à sétima arte. Se já havia referenciado os filmes de guerra, de wuxia, de assaltos e de Terror B, dessa vez, o cineasta faz uma releitura dos clássicos Westerns Spaguetti. O resultado não poderia ser melhor. Continuar lendo

Michael Caine explica o final de A Origem – e a minha opinião

Nem preciso dizer que aqui tem spoilers, não é? Se você não assistiu A Origem nem deveria estar lendo isso. Tem outras coisas pelo site. Vai ler o review do filme, por exemplo. Ou ver uns top 5. Mas aqui agora apenas quem já assistiu o filme.

Tá fazendo o quê ainda aí? Vai para o início. Ou senão vai ler um livro[bb]. Depois que você assistir o filme você volta aqui, ok?

Bom, agora que nos livramos de estragar o filme de alguém, vamos à notícia.

Michael Caine[bb], que interpreta o sogro do personagem de Leonardo DiCaprio[bb] em A Origem, deu uma entrevista em que explicou o final do filme.

Muita gente fica se perguntando se o objeto, o totem, caiu ou não. Sir Caine foi enfático: sim, caiu. Segundo o veterano ator, o diretor Christopher Nolan reúne-se com seu staff antes de cada produção para falar sobre o filme e deu o serviço. E o fato de seu personagem aparecer por si só seria um indicativo de que a parte final é a realidade, já que ele próprio nunca aparece nos sonhos.

Se seu inglês, sua soberba e seu humor ácido britânicos estiverem em dia, clique aqui e ouça a entrevista. A partir de uma hora e 45 minutos eles tocam no assunto.

Agora a minha opinião. Eu também acho que o totem cai. Porém, repito, na minha opinião, todo o filme é um sonho. E dentro da realidade daquele sonho, o objeto cai. Passaria a não cair a partir daquele nível de sonho. Baseio-me nos seguintes fatos:

  • Toda a suposta “realidade” acontece muito fácil. Cobb (DiCaprio) arranja um trabalho, consegue uma arquiteta (que, apesar de estudar em Paris, fala inglês de cara), investiga a vida do sujeito, executa o serviço e, quando chega em casa, tudo está uma maravilha, até seu sogro o espera no aeroporto, como se nada tivesse acontecido, tudo muito idealizado. Não é coerente com a complexidade do resto do filme, os sonhos.
  • Muitas dicas são dadas de que a realidade é o sonho de Cobb. O homem no porão de Yusuf diz ao personagem principal: “O sonho se tornou a realidade deles. Quem é você para dizer o contrário?” Em outro momento, a fuga de Cobb passa por ele apertado entre dois prédios. Algo comum em sonhos. Outro tema recorrente em sonhos é estar em um lugar, de repente estar em outro. Os personagens estão num lugar, de repente Quênia, de repente Paris… Além de tudo isso, o filme começa num ritmo alucinante, sem entendermos como fomos parar ali. Cobb, ao falar a Ariadne (Ellen Page), ele diz que não saber como chegou ali é uma característica de sonho.
  • Nem se toca no assunto do totem de Cobb, ele usa o que era da sua esposa.

De qualquer maneira, a melhor pergunta que se pode fazer sobre o assunto é a seguinte:

A Origem: uma idéia quase perfeita

Christopher Nolan é um cineasta com uma filmografia invejável. É dele o  impecável Amnésia, o perturbador Insônia, o belo O Grande Truque e, como se não bastasse, ele ressuscitou de forma magistral o Homem-Morcego com os excelentes Batman Begins e o Batman – O Cavaleiro das Trevas. Em A Origem, o cineasta mais uma vez acerta a mão e apresenta uma idéia genial com conceitos mirabolantes que, por pouco, não resultaram num longa perfeito.
Continuar lendo

Admiráveis DiCaprio e Ridley Scott

admiravelmundonovoA cabeça deste que vos fala acabou de explodir. O motivo?  O astro Leonardo DiCaprio e o cineasta Ridley Scott voltarão a trabalhar juntos na adaptação do livro Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley, o livro mais impressionante que já tive a oportunidade de ler. Scott, que trabalhou com DiCaprio no eficiente Rede de Mentiras, já havia dito que gostaria de filmar a obra, e os direitos da mesma pertenciam à produtora do próprio DiCaprio. Foi como juntar a fome e a vontade de comer. O roteiro está a cargo de Farhad Safinia, do visceral Apocalypto. Em Admirável… Huxley fala sobre uma sociedade sem livre arbítrio onde as pessoas são divididas em castas e já nascem com suas funções definidas. Para controle da população, é usada uma dose diária de felicidade em forma de uma droga chamada SOMA. Até que um membro de uma casta inferior decide se rebelar. Só espero que façam jus a obra. Oremos.

Trailer de Shutter Island, novo de Scorsese

Martin Scorsese reedita a parceria com Leonardo DiCaprio em Shutter Island. O filme se passa nos anos 50 e conta a história de um policial que vai à um instituto para criminosos insanos investigar o desaparecimento de um preso. Promete. Veja o trailer: