O Som ao Redor

Em O Som ao Redor, a tela do cinema funciona mais do que nunca como um espelho. Um espelho côncavo, apontado especialmente para a classe média, que, de tanto aumentar a imagem, pode passar a refletir o que não esperávamos.

O Som ao Redor

Em compasso de crônica, acompanhamos neste filme as vidas de algumas famílias de uma rua da zona sul de Recife. E a chegada de uma empresa de segurança no bairro, que parece desequilibrar a equação do estado atual das coisas.

Fotografias antigas de lavouras, casas-grandes, trabalhadores e talvez até de escravos iniciam o longa. Instantes depois, já dentro da história que vamos acompanhar, crianças brincando no pátio e uma multidão de empregadas domésticas fazem um triste elo com as imagens anteriores.

Essa relação entre trabalhadores domésticos e patrões está sempre presente. Todas as casas têm pelo menos uma empregada. Quarto exclusivo é essencial no novo apartamento. Algumas trabalham há gerações no mesmo lar, chegando a turvar o limite das famílias. Mas desde o patrão que não reclama do parente do empregado dormindo em seu sofá, mas silenciosamente não o permite, até aquele que nem mesmo abre a porta quando há alguém que execute esta função, o limite existe.

Mas nem tudo são flores para o lado mais privilegiado. Falidos, os compradores de uma casa tentam pechinchar, mas sem perder a pose. Inundada pela violência, o pesadelo da classe média toma forma no sonho de uma criança: uma horda de ladrões invadindo a sua casa, com direito a um cruel som de catraca sendo atravessada. Sufocados pelos prédios, antigos moradores contemplam a piscina vazia de uma casa prestes a ser demolida, num dos símbolos mais fortes do longa.

Aliás, apesar de muito realismo, símbolos não faltam aqui. O local onde um dos personagens se sente mais à vontade é no Engenho, onde ficam suas terras, cenário onde antes provavelmente ficava um engenho de cana-de-açúcar e que hoje é repleto de ruínas. Sua casa é uma típica casa-grande. E a surpreendente cachoeira de sangue, mostrando que muito foi derramado na origem daquelas terras.

As atuações podem não ser memoráveis, mas conseguem passar toda a simplicidade do dia a dia daquelas pessoas. Irandhir Santos, que interpreta o misterioso Clodoaldo, tem um desempenho digno de nota.

O uso do som não pode ser ignorado, visto que dá, inclusive, título ao filme. O barulho do cotidiano, a toada virtual do cinema em ruínas, a poesia dos mínimos ruídos. Mas, apesar ser uma parte extremamente importante, é incrível como no decorrer da projeção, tal qual na vida real, aprendemos a… ignorar.

O diretor – e crítico de cinema – Kleber Mendonça Filho faz uma estréia estelar nos longas de ficção. Nos entrega uma obra crua e emocionante, bárbara e humana. E com um final fantástico. Definifivamente um dos melhores filmes nacionais dos últimos tempos.

Leigômetro: ★★★★★ 

Ficha Técnica
O Som ao Redor (2012)
Direção e roteiro: Kleber Mendonça Filho
Elenco: Irandhir Santos, Gustavo Jahn, Maeve Jinkings, W.J. Solha, Irma Brown

, , , , , , , , , ,

3 Respostas para O Som ao Redor

  1. Ramon Querubim 31/01/2013 às 13:48 #

    e olhe que fiz questão de não querer assistir esse filme.
    Agora fiquei curioso.
    5 estrelas no leigômetro?! Que mistério é esse?

  2. DP 31/01/2013 às 14:51 #

    Não entendi, Ramon, que mistério?

  3. Ramon Querubim 02/02/2013 às 01:36 #

    o filme “Amor” por exemplo: levou 4 estrelas no leigômetro… o filme é tão bom assim?

Deixe uma resposta