O Vencedor conta a história real de Micky Ward, um ex-campeão mundial de boxe. Ansioso por sua grande oportunidade no esporte, Ward tem que conciliar seus sonhos com sua problemática família.

Logo nos primeiros minutos temos uma boa ideia do rumo do filme. Sentado num antigo sofá, Dicky Eklund, ex-pugilista, “orgulho da cidade” e irmão mais velho do protagonista, dá uma entrevista para o que parece ser um documentário sobre sua vida. Parecendo falastrão e inquieto demais, Dicky apresenta Micky. Fala sobre seus estilos díspares de luta, mas percebemos que não é só no boxe que os dois diferem.

Micky é o próprio clichê da ovelha negra. Dentro de uma família desfuncional mas particularmente unida, ele destoa do grupo. Frequentemente o vemos sentado separado nas reuniões domésticas, apesar da minúscula e claustrofóbica casa.

Todo o clima do primeiro ato é desfavorável ao protagonista. Mal agenciado pela mãe, Alice, e sem poder contar com o irmão-treinador que está afundado nas drogas, a vida de Micky é decadente. Decadência esta retratada na sua primeira luta na tela, onde vemos ring girls tropeçando e gargalhadas dos espectadores. A própria viagem de ida ao aeroporto parece um funeral, os personagens vão numa limusine preta e ouvimos sinos ao fundo.

Mas, apesar de não serem os personagens principais, são Dicky e Alice que roubam a cena. Esses dois demostram uma ligação que vai além da relação mãe-filho. Dicky tenta inutilmente evitar que Alice o veja se drogando num cortiço, se jogando da janela toda vez que isso está para acontecer – uma metáfora do quanto ele está desabando. Ela, por sua vez não consegue esconder que Dicky é o seu filho favorito. A cena mais representativa desse elo acontece quando ele, para aliviar o sofrimento dela ao ver o filho arruinado pelo crack, canta e é acompanhado por ela. A música para aquele momento triste e patético não poderia ser outra senão I Started a Joke.

Para representar essa dupla, duas grandes performances. Famoso por papéis extremos, Christian Bale não decepciona ao representar Dicky Eklund. Apesar de ser uma figura exagerada, com seus maneirismos e olhares de um viciado, Bale nunca deixa de ser verossímil e nos brinda com mais uma grande atuação. Melissa Leo também cumpre muito bem seu trabalho como Alice. Mas o mesmo não pode ser dito do Micky de Mark Wahlberg. Descaracterizado, Wahlberg parece estar num filme completamente diferente.

Histórias reais de superação sempre tocam. O Vencedor é sobre isso e não foge à regra. Mas o título nacional não faz jus à narrativa. “The Fighter”, ou “O Lutador” na tradução ao pé da letra, trata de algo mais importante que vencer: trata de lutar.

Leigômetro: ★★★★☆ 

Ficha Técnica
O Vencedor (The Fighter, 2010)
Direção: David O. Russell
Roteiro: Scott Silver, Paul Tamasy, Eric Johnson
Elenco: Mark Wahlberg, Christian Bale, Amy Adams, Melissa Leo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *