2 Coelhos: uma bela colagem de referências pop

2 coelhos, filme de estréia de Fernando Poyart, é a produção mais pop da história do cinema brasileiro. Cheio de referências à cultura nerd, o longa se beneficia de uma roupagem moderna pouco vista no cinema brazuka. Curiosamente, é exatamente esse excesso de referências que impede a produção de se tornar uma obra prima.

A trama acompanha Edgar (Fernando Alves Pinto), um típico brasileiro que vive espremido entre a criminalidade, que age impunemente, e a corrupção presente no poder público. Cansado de ser vítima desta situação, ele bola um plano para conseguir 2 milhões de dólares dessas duas alas podres da sociedade. Na medida que seu plano é executado, descobrimos pouco a pouco suas reais intenções e sua história.

Roteirizado pelo próprio Poyart, 2 Coelhos, prende nossa atenção até o último minuto da projeção com várias revelações que vão sendo liberadas em doses homeopáticas. Com diálogos divertidíssimos e repletos de referências a internet, filmes e videogames, o texto abusa de uma linguagem moderna e bastante contextualizada (em um dado momento, um personagem empresta o celular com a ressalva “Fala rápido que estou com pouco crédito.“) que agradará principalmente a chamada “geração y“, que com certeza irá se identificar com o universo retratado. Sempre alternando de maneira coesa entre presente e passado, a trama é instigante e repleta de reviravoltas. O cineasta introduz os personagens quase que como se montasse uma partida de xadrez. Pouco a pouco as histórias vão se entrelaçando e o quebra-cabeça vai sendo desvendado de maneira bastante inteligente.

O elenco não apresenta nada de excepcional, mas entrega um trabalho bastante competente. Destaque para Fernando Alves Pinto que encontrou o tom certo para o personagem principal – um herói imperfeito e humano – e Marat Descarts que, evitando a histeria habitual dos bandidos no cinema, interpreta um vilão imprevisivelmente perigoso. O diretor acerta também na escolha do elenco de apoio, que se sai bem nas sequências de ação e ainda é responsável pelas, sempre eficientes, cenas de alívio cômico (destaque para a cena da espada na favela).

Com efeitos poucas vezes vistos no cinema nacional (eu confesso que nunca vi), 2 Coelhos é um sopro de inovação na cinematografia brasileira. Poyart bebe de várias fontes para apresentar um visual esteticamente moderno, desde a edição frenética dos primeiros trabalhos de Guy Ritchie, à montagem não linear típica de Quentin Tarantino, passando pelo super slow motion de Zack Snyder e afins. Se por um lado esse visual embeleza a obra, por outro, o diretor parece querer utilizar todas essas referências num só longa e o resultado acaba mais parecendo uma colcha de retalhos do que um filme com identidade própria. Longe de estragar a experiência, esse deslize apenas impede que a película alcance o status de obra prima, uma vez que os méritos parecem vir dos longas originais.

Com um roteiro inteligente, divertido e coeso, 2 Coelhos é uma obra empolgante que instiga o público do início ao fim. Ainda que careça de uma identidade própria, o diretor merece crédito pela bela colagem de referências pop que elaborou.

Leigômetro: ★★★★☆ 

Ficha Técnica
2 Coelhos (2012)
Direção: Afonso Poyart
Com: Alessandra Negrini, Caco Ciocler, Fernando Alves Pinto, Marat Descartes, Neco Vila Lobos, Thogun, Thaíde, Yoram Blaschkauer, Robson Nunes.

, , , , , , , , , , , ,

4 Respostas para 2 Coelhos: uma bela colagem de referências pop

  1. Ramon 26/01/2012 às 15:23 #

    E quando chegará às telas Canadenses?

  2. Ramon 26/01/2012 às 19:23 #

    Ah, o link sobre Geraçao Y está apontando pra o lugar errado!

  3. Bruno Zé 27/01/2012 às 16:28 #

    Ramon,

    Sobre as telas canadenses eu não sei responder, já o link, foi corrigido. Valeu a observação.

  4. Ramon Nonatto 26/02/2012 às 22:42 #

    O efeito especial é interessante e bem legal, mas o que me chamou a atenção foi o roteiro. Acredite, eu só vim entender o filme na hora dos créditos. Até então, eu pensei que entendi. Curti o filme e ri também, fico pensando se ele é um divisor de águas. Embora eu tenha achado bem estranho Alessandra Negrini com aquela espada (luta mental).

    Será que alguém pode me dizer se o ator principal já fez o comercial pra Johnny Walker? Lembro de um cara na frente do espelho com uma guitarra na mão sendo aconselhado pelo próprio reflexo. Será que é ele?

Deixe uma resposta