O Segredo de Seus Olhos: jovem clássico?

Recentemente estava discutindo com alguns amigos sobre o fato de revisitar algumas obras consagradas nos “impedir” de conhecer novos clássicos. Eis que estava eu prestes a rever a obra prima, Os Bons Companheiros, quando resolvi, de última hora, mudar de idéia e dar uma oportunidade ao mais novo trabalho (ainda que não seja tão novo) do argentino Juan José Campanella. Não vou entrar no mérito de qual seria a melhor opção, mas posso afirmar que estou feliz, aliás, muito feliz, por minha escolha.

Escrito por Eduardo Sacheri e Campanella, o enredo acompanha Benjamin Esposito (vivido impecavelmente pelo excelente Ricardo Darín), um oficial de justiça aposentado que decide escrever um romance sobre um caso de estupro seguido de assassinato ocorrido 30 anos atrás. Não sem antes deixar Irene (Soledad Villamil) – a bela promotora, de quem fora assistente no passado – a par de sua decisão. A partir daí o diretor opta por entrecortar o tempo em que se desenvolve a narrativa, nos apresentando, paralelamente, o desenrolar do caso no passado e suas repercussões na vida presente dos personagens.

O Segredo de Seus Olhos pode ser caracterizado como um thriller envolvente com alguns elementos noir. É difícil escolher uma única coisa para destacar na película. Desde a sensível direção (Campanella já havia me conquistado no imperdível O Filho da Noiva), passando pelo belo roteiro, ao irretocável trabalho dos atores (não bastasse as excelentes atuações, a química entre Darin e Villamil é perfeita) e a convincente maquiagem, tudo é impecável na obra. Ressalto que a qualidade do trabalho do elenco se estende aos coadjuvantes. Do canalha inimigo de Espósito ao seu melhor amigo, o leal e pinguço Pablo Sandoval (destaque para a cena em que Sandoval fala sobre a paixão de um homem).

Mas se eu tivesse que escolher um único elemento, acho que o que mais me impressionou foi a belíssima fotografia de Felix Monti (que assinou várias obras brasileiras como O Auto da Compadecida e O Que é Isso Companheiro?). As cores, a iluminação e os ângulos meticulosamente escolhidos são tão belos que em vários momentos tive que voltar e pausar para admirar a beleza da tomada.

O Segredo de Seus Olhos pode tranquilamente usar o clichê, “uma montanha russa de emoções”. Alternando momentos de tensão, com outros de ternura e alguns alívios cômicos, esse candidato a jovem clássico é uma prova de que ao revisitar uma obra prima consagrada, podemos sim estar perdendo a oportunidade de conhecer algo novo e empolgante.

Em tempo: a cena em que sobem os créditos é tão simples e poética que, me fez lembrar de um outro belo final que muito me marcou, a cena do estádio de baseball em Traffic (de Steven Sodenberg).

Leigômetro: ★★★★★ 

Ficha Técnica
O Segredo de Seus Olhos (El Secreto de Sus Ojos, 2010) 
De: Juan José Campanella
Com: Soledad Villamil, Ricardo Darín, Carla Quevedo, Pablo Rago, Javier Godino, Bárbara Palladino, Rudy Romano, Alejandro Abelenda, Mario Alarcón, Guillermo Francella

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *