Planeta Terror: puro entretenimento trash

Que é que você está olhando?

Se você gosta apenas de filmes conceituais, que venham acrescentar algo à sua vida, abomina filmes trash e detesta filmes inverossímeis, então fuja de Planeta Terror, primeira parte da homenagem às sessões duplas de “filmes B” dos anos 70, realizadas pelos loucos Tarantino (Kill Bill) e Rodriguez (A Balada do Pistoleiro, e diretor do segmento em questão), Grindhouse. Mas se, por acaso, você não for o pudico/intelectualóide citado acima, se entregue ao filme trash mais histérico dos últimos tempos.

A história do filme é a seguinte: uma cidade no interior dos Estados Unidos foi infectada (na verdade, apenas algumas pessoas, mas o negócio começa a se espalhar) por um gás que transforma as pessoas em zumbis e o caso toma conta do local e é um verdadeiro salve-se quem puder. A trama então resolve centrar-se em um grupo de personagens pra lá interessantes: uma dançarina go-go (Rose McGowan) que gostaria de ser uma comediante e tem sua perna amputada por um zumbi (o que ela usa como muleta é demais), seu namorado amargurado (ele havia sido abandonado por ela no passado) lutador de kung-fu, uma anestesista (Marley Shelton) que acaba de se separar de seu marido (Josh Brolin) inescrupuloso (e que agora quer matá-la) e resolve fugir de casa com seu filho, um contrabandista que coleciona testículos (o Sayid de Lost, Naveen Andrews, voltando aos seus tempos da guarda republicana :P ), um comandante durão (Bruce Willis, mais Duro de Matar do que nunca) que já matou Bin Laden e Quentin Tarantino na pele de um militar boca-suja.

Para aumentar ainda mais a imersão no clima “sessão podreira”, Rodriguez inseriu ranhuras por toda a projeção e sujeira no áudio (aqueles estalos típicos do vinil) para dar uma impressão de que realmente se está assistindo a um filme antigo. Alguns trechos da película (não sei por que estou falando película, pois o filme foi todo rodado com câmeras digitais) são simplesmente substituídos pelo aviso “Rolo Perdido”. E nem precisava tudo isso, pois todo o exagero (se você achou A Balada do Pistoleiro muito exagerado da parte de Rodriguez, espere até ver Planeta Terror) e diálogos clichês, cheios de efeito (“Esse garoto tem o demônio no corpo” diz um personagem em certo momento do filme), característicos dos trashs setentistas estão presentes por toda a projeção.

Como disse no início do texto, Planeta Terror não tem o intuito de te fazer pensar, não possui uma história cheia de reviravoltas e provavelmente não vai acrescentar nada em sua vida, mas se estiver disposto a entrar no clima criado pelo diretor, então prepare a pipoca (e o estômago) e divirta-se até o último segundo (literalmente).

  • Título original: PLANET TERROR, EUA nota 5
  • Ano: 2007
  • Direção: ROBERT RODRIGUEZ
  • Elenco: COM FREDDY RODRIGUEZ, ROSE MCGOWAN, MARLEY SHELTON, MICHAEL BIEHN, BRUCE WILLIS, JOSH BROLIN, NAVEEN ANDREWS E QUENTIN TARANTINO
  • Site oficial: Grindhouse
  • imdb: http://www.imdb.com/title/tt0462322/

Aproveite e compre: Sin City, Era Uma Vez no México – trilha sonora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *